sábado, 9 de maio de 2009

C. Ronaldo x L. Messi

Semana passada, o programa Esporte Espetacular, da Rede Globo, promoveu em seu quadro "Quem foi (é) o melhor" a disputa entre os "atualíssimos" Cristiano Ronaldo e Lionel Messi. O argentino levou a melhor com larga vantagem entre os internautas, obtendo cerca de 65% dos votos. Entre jogadores, treinadores e jornalistas a preferência por Messi foi quase unanimidade.

O resultado era previsível. Deixando a rivalidade entre brasileiros e argentinos de lado, o estilo de jogo de Lio é o que mais agrada à preferência brazuca. A rapidez, as investidas entre os zagueiros , os dribles curtos e genais enfileirando os marcadores, as arrancadas, as tabelas rápidas, a bola que parece não desgrudar de seus pés. Tudo isso, utilizando as palavras de Ugo Giorgetti, nos faz "lembrar um pouco do que fomos". Um pouco de Rivelino, um pouco de Zico. Para os argentinos, um pouco de Maradona.

Cristiano Ronaldo não é tão ligeiro quanto Messi e atua mais pelos lados do campo. Mesmo assim, joga um grande futebol. Movimenta-se bastante, possui ótimo drible, finaliza e cabeceia muito bem. Aqui no Brasil e ao redor do mundo ganhou certa fama de mascarado, presepeiro, firuleiro. Acho injusto. O português vem se destacando desde que chegou ao Manchester United, fez uma ótima temporada 2007/2008, fazendo gols incríveis (e decisivos). Foi campeão da Champions League e do Mundial da Fifa em 2008 e foi escolhido com justiça como o Melhor do Mundo daquele ano. Perdeu um pouco do gás nesta temporada, mas nada que desabone sua brilhante carreira.

Na atual temporada, Messi está melhor. Após as Olimpíadas de Pequim, o argentino vem sobrando; tem jogado muito pelo Barcelona e vem decidindo as partidas. Assim como foi Cristiano na temporada anterior.

Quis o destino que se cruzassem na final da Champions League e, enfim, poderão realizar essa disputa no campo para ver quem é o melhor. Acho tudo isso uma grande bobagem. Toda pessoa é livre para escolher o seu preferido; além disso, perde-se muito tempo discutindo gostos. Eis as imagens para ajudá-los na escolha. Tenham um bom filme.



2 comentários:

Andre de Paula Eduardo disse...

Nobre amigo portenho, quem lê esse perfil vai pensar que és um hincha de River!
Era a final que eu queria... aliás, depois dos 5 gols no Bayern e nos 6 no Real, descobri que o futebol aberto, ofensivo, de passes rápidos e também talento (muito) individual ainda existem.
Viva la Pulga!
E parabéns pelo blog, com o nome mais afetado desde "Byron & Shelley".
Abraços!

Roberto disse...

Entro nesta discussão, que lembra os tempos de uma sala acarpetada e uma TV em cima de um banco de plástico junto a um sofá destruído, lembrando que não sou tão bom como os dois no assunto futebol.

Creio que Messi seja melhor pois é mais versátil e ágil, seus movimentos não são repetitivos e previsíveis (embora os de Cristiano Ronaldo só sejam após muita análise) e joga na ponta direita sendo canhoto, o que dificulta o cruzamento e o faz centralizar mais as jogadas. Em defesa de Cristiano Ronaldo (o melhor português nesse esporte, em segundo está Eusébio) digo que fora da área, cobrando ou não falta, é indiscutivelmente melhor que o argentino e possui um estilo próprio de bater na bola: seco e de três dedos que faz a bola executar mais de duas curvas contrárias.

Aqui discutimos futebol e não apoio e exposição na mídia, pois o "belo gajo" ganharia de goleada, como Kaká de Riquelme.
Com relação a futebol ofensivo, desde a Eurocopa, vendo a Holanda de Van Basten com seu "futebol total", não vibrava com um time como o fiz assistindo ao Barcelona humilhar e ensinar aos alemãs do Bayer (principalmente Klisman que optou pelo 4-5-1 com Luca Toni) que futebol é arte e ataque. Infelizmente a maioria dos técnicos não pensa como Guardiola. Mourinho, por exemplo, poderia usar mais o Crespo e o Mancini ao lado do Ibraimovic (gênio incontestável).

Para o final, claro, a decisão da Champions. Ganha Barça com 4-3, mas o Dani Alves precisa acertar ao menos 3 cruzamentos durante o jogo e o Valdes continuar jogando satisfatoriamente, caso contrário, dá Manchester. Meu palpite se baseia na rapidez do ataque do time espanhol contra a lenta defesa inglesa, mas posso me enganar ao não prever a boa atuação do quase quarentão Van der Sar.


Até que esse espaço, embora "coisa de argentino", é bom. Tomara que dure ao menos 30 anos.