quarta-feira, 13 de maio de 2009

El Titán


O primeiro jogo que me lembro de ter assistido de Martín Palermo foi na Copa América de 1999, na fatídica partida entre Argentina e Colômbia, quando "El Loco" desperdiçou incrivelmente três cobranças de penalti. O jogo terminou 3 x 0 para os colombianos e o atacante entrava de forma negativa para o Guinness. Naquele torneio, encerrava-se prematuramente a carreira de Palermo com a camisa da seleção argentina. A mim, ficava uma impressão ruim por aquilo que vi do atacante no jogo.

A vida seguiu, Palermo continuou errando penalidades, mas, aos poucos, parecia superar o trauma daquela partida. Goleador que era (e ainda é), foi conquistando títulos e o coração da torcida do Boca Juniors, apesar de seu ritmo lento e desajeitado. Chamado na argentina de "el optimista del gol" por sua capacidade de superação, conseguiu sua redenção ao marcar o gol que classificou o Boca na Libertadores de 2000, eliminando o River Plate em La Bombonera. Isso após ficar seis meses longe dos campos por contusão.

Martín foi para a Espanha jogar pelo Villareal em uma época que o "Submarino Amarillo" lutava no pelotão intermediário. Não fez sucesso. Também teve passagens discretas por Bétis e Alavés antes de retornar ao Boca em 2004.

Já com a camisa xeneize, Palermo soma 200 gols e uma dezena de títulos. Podem discutir seu talento, seus movimentos, mas sua marca como goleador é considerável. O fato de não ser mais chamado para a seleção se deve menos aos penaltis que perdeu e mais aos concorrentes pela posição, pois disputava vaga com ninguém menos que Gabriel Batistuta e Hernán Crespo. Azarado, também se contundiu gravemente no joelho várias vezes, o que atrapalhou bastante sua carreira (na Espanha, um muro caiu sobre sua perna após a comemoração de um gol). Ventila-se a possibilidade de Maradona convocar El Loco após dez anos de sua última partida pela seleção. Os jogadores rápidos do ataque argentino (Messi, Tevez, Aguero) ainda são as prioridades, mas Palermo não deixa de ser uma boa opção. Referência na área, posiciona-se muito bem e é ótimo na jogada aérea, característica que falta aos seus concorrentes.

O tempo fez por apagar a minha má impressão de Martín. Mais pela sua vontade e autoconfiança que pelo trato com a bola. Ainda assim, é capaz de surpreender, fazendo lindas jogadas, como esta que segue aí abaixo. Foi o gol de número 200 pelo Boca Juniors e o atacante quis comemorar a marca em grande estilo. Não acho que seja craque, mas, acima de tudo, é um bom "Titán".


3 comentários:

Cláudio Coração é jornalista disse...

Palermo é incrivelmente objetivo. Um homem-gol, como diria Jorge Beb. Meio "ruim de bola" é verdade. Porém, zagueiros sofrem barbaridades para marcá-lo.

Bem-vindo ao doce mundo da blogosfera!!!

guto disse...

É, Pedro, o Palermo não é aquele atacante de "encher os olhos", mas compensa na garra e na vontade, o que falta a muitos atacantes por aí. E, depois desse vídeo do 200º gol, nem acho mais ele tão "meia-boca" assim...

Gostei do blog

Luiz disse...

nem tudo que reluz é ouro. mas brilho produz.