terça-feira, 20 de outubro de 2009

O PiG de Barrichello

Não me tornei fã de Fórmula 1, apesar de lembrar de grandes corridas de Ayrton Senna. Talvez pelo ufanismo exagerado com o qual a Globo sempre tratou do assunto. Sempre achei que não era para tanto. Apenas cito isso para recomendar o excelente texto do Flávio Gomes (creio que é a pessoa que melhor escreve sobre automobilismo no Brasil) sobre a desonesta e farsante cobertura 'jornalística' da Globo na Fórmula 1 e como ela inseriu Rubens Barrichello nisso, prejudicando o próprio Rubinho, criando e vendendo uma imagem daquilo que o piloto não é e não foi. Vale a pena conferir.

2 comentários:

Andre de Paula Eduardo disse...

Muito bem lembrado e ótimo texto do Flávio Gomes (me espantei com o número de comentários, mais de 2 mil, passou até o meu blog).

Em relação ao último comment do último post, do Roberto, não entendi o porque do "pena que é feminino" (versão medieval bispo Crivella: "ele quer homem com homem?"). Como já afirmei reiteradamente, sobretudo em nossas conversas, o futebol feminino é a vanguarda e o Santos é, mais uma vez, a Superioridade. Não há dúvidas, né? hehe. Abraços fortes ao Roberto do Samba, o Marlon Brando de Getulina.

Quanto ao sr. Pedro Buriti (o M. Night Shyamalan de Buenos Aires) não deixarei de criticar sua omissão aos neerlandeses, ou seja: o melhor futebol do mundo, neste espaço. É o colOnismo do PiG da Holanda.
Abraços!!

Luiz disse...

No vídeo game não há caráter para se discriminar. Está tudo acertado. Aperta-se os botões e as opções se fazem sentidas.
Milhões de verdinhas para Barrichello! O botão foi apertado. Sorria Barrichello. Vai... Tenta ser feliz!