sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Velocidade nas ruas de São Paulo?

Esta semana a Prefeitura de São Paulo anunciou oficialmente que Sampa receberá a primeira etapa da Fórmula Indy em 2010, que ocorrerá em março. O Brasil já tinha sido confirmado no calendário da Indy para o ano que vem, mas ainda pairavam dúvidas sobre a realização do evento. Cogitaram Ribeirão Preto, Salvador, Rio de Janeiro, mas nada concreto, faltou dinheiro. Eduardo Paes, prefeito do Rio, pulou fora na última hora. Já era dado como certo que não haveria prova. Mas eis que chegaram a um acordo os representantes da Indy no Brasil, os donos do grupo Bandeirantes (ou Band) e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, para que a corrida aconteça em São Paulo em um surpreendente "circuito de rua".

Por forças contratuais, Interlagos não pode receber uma categoria internacional que não seja a Fórmula 1. E como não há outro espaço destinado à corrida de carros (não estou falando de ‘rachas’) que não seja o bom e velho Autódromo José Carlos Pace, a Prefeitura terá que se virar para arranjar um espaço nas suas tumultuadas ruas e avenidas para abrigar a etapa.

E não se trata apenas de escolher um trajeto de pista para os treinos e corrida. Será necessário fazer toda uma 'remodelação' da área escolhida, fechando vias, rebaixando calçadas, criando zebras, derrubando árvores, montando guard hails, alambrados e arquibancadas, quebrando asfalto velho, fazendo asfalto novo (e desta vez precisará ser decente) e sistema de escoamento de água que funcione realmente, fora a estrutura dos boxes, área de imprensa etc. São só algumas das obras, mas todas estas demandam tempo e são apenas mais três meses até a corrida. E a cidade não vai poder parar para a realização das obras.

Parece coisa mal planejada, de última hora mesmo.
Bem diferente da situação de 1990, quando o Brasil corria sério risco de perder seu GP de F-1 e a ex-prefeita Luiza Erundina* topou o desafio de reformar Interlagos, mas com dinheiro do setor privado. Não se usou dinheiro público.

Pior é imaginar uma única área em São Paulo que comporte o GP. Alguém consegue imaginar um único traçado pelas ruas paulistanas que acomode carros de corrida transitando a 250, 300 km/h? Marginais, Avenida Paulista, 23 de Maio, Radial Leste, Rodoanel, 25 de Março, Rua Augusta? Parece irônico falar de alta velocidade e carros de corrida nas ruas de Sampa. E se for para se prevenir das chuvas, o traçado deve passar longe do Aricanduva e Avenida do Estado.

Seja marketing eleitoreiro, seja lobby da emissora paulista (bandeirante), o fato é que aqueles que já reclamam do trânsito lento e dos intermináveis congestionamentos terão que se preparar para o fechamento de importantes vias por um grande tempo. Para receber a Indy, os paulistanos vão ter que aturar um caos a mais. Creio que a Prefeitura poderia investir melhor o dinheiro que desembolsará para fazer a corrida.

Como deixei São Paulo há tempos, não tenho carro e quando por lá estou sempre utilizo o transporte coletivo, não me incomodo nem um pouco com a Indy. Não sou dos maiores fãs de corridas de carros, tampouco simpatizo com grandes obras viárias que privilegiam o transporte individual, espécie de ‘malufismo’ ainda presente nas campanhas políticas para conquistar o eleitorado paulistano. Não me incomodaria se as ruas de São Paulo fossem remodeladas para a Indy, mas também para os ônibus, táxis, trólebus, trens de superfície. Devo dizer também que não sou contra transporte individual. Adoro bicicletas.


P.S. Deixo a cargo dos leitores o trabalho de imaginar o traçado da pista nas ruas de São Paulo, se isso for possível, claro.


*A deputada federal Luiza Erundina participou dos três dias da 1ª Conferência Paulista de Comunicação, realizada nos dias 20, 21 e 22 de novembro, e é representante titular do Poder Público na Comissão Organizadora da 1ª Conferência Nacional de Comunicação, que ocorrerá em dezembro, em Brasília. Emocionou a todos em seus discursos e foi, com certeza, a campeã de aplausos na etapa paulista. Fica aqui uma homenagem à nobre deputada e ex-prefeita. Sim, São Paulo já teve uma grande representante no poder executivo.

2 comentários:

Andre de P.Eduardo disse...

Belíssima lembrança de Dona Luisa Erundina, a melhor prefeita que a capital paulista já teve. Aliás, outro dia lembrei-me da "obra-prima de Moniz Bandeira", aposto que bem cuidada e certamente em boas mãos...
Preciso correr agora e comprar meu ingresso pro jogo do Fluzão contra a súcia do Vitória hehehehe. Tchau Radar.

Andre de P.Eduardo disse...

Registro: porque os meias argentinos (como Riquelme, Defederico e o maestro Conca) são tão elegantes e precisos? Por que o Brasil não consegue mais fabricar uma sombra de um Zico?
AH sim, fui prestigiar o tri das Laranjeiras, o time superior ao Boca hehe. Uma atuação genial de Conca - a melhor desde Cruyiff no histórico 5X0 do Barça no Real em 73.