quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Meninos, eu vi! – Luiz Guilherme

Nesta quarta-feira à tarde (13/01), estava assistindo pela TV Brasil à partida entre São Carlos e Botafogo (RJ), válida pela 2ª fase da Copa São Paulo de Juniores. Tecnicamente, uma partida sofrível. Poucas chances (as melhores desperdiçadas pelo São Carlos), muita correria, muita afobação, algo normal numa partida de garotos querendo mostrar serviço. A duras penas, cada equipe conseguiu marcar seu golzinho, 1 x 1 duro de assistir, e o jogo foi para a disputa de penalidades.

No gol do Botafogo, um jovem goleiro negro de 17 anos, Luiz Guilherme. É goleiro da Seleção Brasileira nas divisões de base desde os 14 anos. Debaixo das traves, uma tranquilidade de botar medo nos batedores, só saltava na bola no momento do chute. Frio, defendeu três cobranças e levou o Fogão às oitavas-de-final da Copinha. Detalhe: não comemorou nenhuma defesa, nem a que decidiu a disputa de pênaltis, uma calma comovente. Lembrou Dida em suas melhores fases.

Terminada a peleja, a equipe da TV Brasil queria falar com a ‘estrela’ do jogo e o repórter Rodrigo Viana (um homônimo do mais famoso) foi conversar com o jovem goleiro. Um garoto tranquilo, eloquente, uma simplicidade. Nem parecia que acabara de decidir a partida.

Por fim, o repórter questionou o goleiro sobre quem seriam seus ídolos, Taffarel, Dida, Júlio César. E como diria Lula, ‘mas qual foi a frase feliz?’. O garoto Luiz Guilherme respondeu que admira os goleiros recentes, mas seu ídolo mesmo era alguém que ele nunca viu jogar, mas admirava sua trajetória, sua luta, sua história: Barbosa. A resposta de Luiz Guilherme pegou de surpresa o repórter e o pessoal do estúdio, que ficaram surpresos com a resposta do rapaz e felizes pela lembrança ao ex-goleiro da Seleção Brasileira. Sim, era o próprio Barbosa. O goleiro considerado culpado pela derrota contra o Uruguai na Copa de 1950. Aquele negro marginalizado, humilhado e que morreu pobre e esquecido.

O drama de Barbosa deve ter comovido aquele jovem goleiro. O drama de ter falhado numa final de Copa do Mundo, o drama do preconceito, fardos pesados que Barbosa teve que carregar ao longo de sua vida. ‘Entre o sucesso e a lama’, já dizia a música dos Racionais. Luiz Guilherme gostaria de estar na Copa de 2014, no Brasil, naquele mesmo Maracanã, de alguma maneira, como forma de reparar a injustiça sofrida por seu ídolo. Muito difícil, mas seria bonito. Ganharia o futebol, ganharia Barbosa, ganharia o Brasil.


Atualizando

6 comentários:

Andre de P.Eduardo disse...

Um garoto tão jovem e tão dissonante da gurizada da mesma faixa etária - com conhecimento e identificação da figura mais injustiçada do futebol brasileiro.
Aliás, os demais caracteres que o sr. descreveu são mesmo coisa rara - tranquilo, sereno, frio (me parece misto de Dida com Taffarel).
Belo texto! (Ah como eu queria estar no Ceará...)

Luiz M. Ferreira Jr. disse...

Respostas inteligentes, parecem não encontrar eco em repórteres meia boca. Como diria Reinaldo Azevedo: é um perigo estes mulatos pensarem...

Andre de P.Eduardo disse...

Que beleza de texto hein! impossivel não dizer.
("Jurity"? o erro foi no blogue do LN?)
Abraços e parabéns!

Andre de P.Eduardo disse...

Aléxis Góis disse:
15/01/2010 às 0:03

Belíssimo texto! Tanto Barbosa, quanto o goleiro, e o autor deste texto estão de parabéns! Este Jurity escreve sempre aqui???

Hahahahaha!

Já corrigiram no Nassif/; agora virou "Burity".

Pedro Leonardo disse...

Eu não vi que o Nassif tinha publicado, ontem estava arrumando minhas coisas já para voltar para Bauru. Vi seu comentário hoje (já em Bauru) e não tinha entendido, depois que eu me liguei e fui conferir no blog dele.

O blog do Nassif deve ser o mais 'eclético' de todos, praticamente são os leitores que montam a pauta, que é bem diversa. Mandei o texto mais para ver se alguém conseguia o vídeo da entrevista ou até para ver se o Nassif já conhecia o assunto, uma vez que ele é comentarista do Reporter Brasil, da TV Brasil.

Nem sabia que ele era fã do Barbosa.

E quem seria esse Alexis Góis? Hehe

Andre de P.Eduardo disse...

Falou Pedro Jurity-segundo o Nassif hehe. (já consertado)