quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

El Apache que triunfa

O jogador que resolve. Desde que foi embora do Boca Juniors, no final de 2004, esta tem sido a história de Carlitos Tevez. Por onde passa é destaque. A capacidade que Tevez tem de se adaptar às diferentes equipes e estilos de jogo impressiona. A adaptação não é de uma hora para outra, pode levar um tempinho, mas ela acontece. Foi assim até agora. Daí que seu sucesso não é à toa.

Brigador, raçudo, disputa todas as bolas como se fosse a última, sem deixar de lado a técnica. Joga em todas as partes do campo, adapta-se às mais diversas posições no ataque, pode jogar na armação, pelas pontas, sabe fazer pivô, posiciona-se bem entre os zagueiros e, o principal, sabe fazer gols (de cabeça, de fora da área, de carrinho, de ‘voadora’). Em todos os times, sem exceções, Tevez foi crescendo aos poucos. ‘Y explotó’.

Carlitos tem um currículo invejável. Por três vezes consecutivas foi eleito o melhor jogador sul-americano. Ganhou tudo pelo Boca (Campeonato Argentino, Sul-Americana, Libertadores e Mundial), alguma coisa pelo Corinthians (Campeonato Brasileiro), quase tudo pelo Manchester United (Copa da Liga, Premier League, Supercopa da Inglaterra, Champions League e Mundial de Clubes). Com gols e ótimas atuações, salvou o modesto West Ham de um rebaixamento (marcando gol no último jogo contra o campeão M. United, em Old Trafford). Foi também campeão olímpico pela seleção argentina.

Fica difícil entender que o velho Alex Ferguson, treinador do United, tenha preterido Carlitos e preferido o ‘corredor’ coreano Park. Sorte do outro Manchester, o City, time dos irmãos Gallagher, que, aos poucos, vai montando um bom time, com Tevez brilhando no ataque. Um time que era apenas mediano agora briga na ponta da tabela.

O vídeo abaixo traz os gols marcados por Carlitos nesta última temporada, atuando pelo Manchester City. Lembramos facilmente de atuações e gols semelhantes feitos nos outros clubes por onde passou. Se a seleção argentina pudesse jogar por uns dois meses consecutivos e Tevez pudesse fazer um trabalho continuado, com certeza El Apache seria titular do ataque argentino por anos, com todo respeito aos artilheiros Diego Milito, ‘Pipita’ Higuain, ‘Licha’ Lopez e Martín Palermo.

Carlitos es bárbaro. Em todos os sentidos. Saudades de sua ‘cumbia villera’.



2 comentários:

Andre de P.Eduardo disse...

Murió Orlando, defensor de 58.
Calitos aquí, Redondo (El principe) en Byron. Abrazos!

Cláudio Coração é jornalista disse...

Tevez, Messi, Riquelme (fora). E o Maradona a cometer xaropadas no comando...